Amor

Posts na categoria Amor.

fevereiro 13, 2017

Chá Revelação

No dia 13 de janeiro de 2017, fizemos o chá revelação do nosso baby. Eu e o marido sabíamos o sexo do bebê, mas os familiares e amigos não.

Minha família estava na torcida por uma menina, por que meus pais só tem netos machos hahah. As amigas sempre me falaram que eu tinha cara de mãe de menina, mas confesso que sempre me vi mãe de menino.


Decoração da mesa do bolo, esse bolo é a maquete que veio com a decoração que a Dany Feraz fez, mas minha irmão fez um bolo confeitado e no final foi ele que ficou na mesa.

Fiz a festinha no salão de festa do prédio e fiz a decoração toda rosa e azul, com o tema de ursinhos. Que fez a Decoração foi minha amiga Dany Ferraz. Tudo ficou do jeitinho que eu queria e a revelação do sexo do bebê foi com um balão preto, por que eu não queria revelar com o bolo.


Esse foi o bolo que a minha irmã Fernanda, fez para o chá revelação.


Mesa do bolo com o bolo que minha irmã fez.


Detalhes da decoração. Coloquei os forros das mesas em azul e rosa, e uma florzinha em cima.
Comprei as bandejas de papel também nas cores azul e rosa, para servir as tortas e salgados.


Estamos muito felizes com a chegada do Bernardo, nosso primeiro filhote, que já é muito amado.

Amei fazer o chá revelação! foi emocionante ver todos na ansiedade para saber o sexo do bebê e ver a reação de todos ao mesmo tempo, quando revelamos.


Os vovós do ano, meu papis e minha mamis.


Irmã e cunhado.


Irmã e sobrinho Luis Fernando.


Cunhados.


Cunhada e afilhada.


Amiga Aninha.


Irmão postiço.


Prima Mariana.


Amiga Gislênia.


Primos.


Amiga Gisele.


Amiga Dany e que fez a decoração.


Primos.


Primos.


Amiga Shirlinha.

Não consegui tirar fotos com todos os convidados, por isso nem todos estão aqui nas fotos.

#VenhaBernardo!

fevereiro 12, 2017

Meu Casamento Religioso – Mini Wedding

Me casei por etapas (conto a história toda aqui), e esse foi o nosso 4? casamento juntos e tão sonhado casamento religioso. Demorei para fazer o post, já que o casamento foi realizado dia 18/12/15, mas ano passado foi muito conturbado, fui adiando, adiando e acabei não fazendo. Mas como nunca é tarde, decidi falar tudo aqui para vocês.

Como fazer festa saí muito caro, já estávamos casados há 6 anos, decidimos fazer um mini wedding, por que queríamos casar no religioso, já que somos religiosos e já estávamos adiando demais esse casamento. Marcamos a data e convidamos apenas 32 pessoas, foi um mini, mini casamento mesmo. Mas confesso que foi a melhor decisão da vida! convidamos só os mais íntimos, pessoas que realmente convivem conosco e torcem por nós. Fizemos tudo como queríamos e gastamos o que estava no planejado.

O Save the date – eu mesma fiz! olhei algumas ideias na internet, juntei alguns que eu mais tinha gostado e criei um para nós.

Todas as ilustrações do convite eu baixei no site Freepik.

O convite de casamento – também eu mesma fiz, como tenho minha silhouette cameo, fiz a arte, imprimi em casa e recortei tudo nela. Queria algo diferente, que fosse simples e fofo ao mesmo tempo, e decidi fazer uma caixinha texturizada, com o convite dentro. Junto com o convite, como eram poucas pessoas convidadas, eu queria entregar um presentinho, e junto foi entregue uma caixinha com saleiro e pimenteiro de passarinho. Como o tema e decoração da recepção foi com flores, decidi fazer os detalhes da papelaria de borboleta.

Igreja – Como foi um casamento pequeno, fiz na Igrejinha Nossa de Fátima, que foi a primeira capelinha de Brasília. Ela é lindinha, pequena e o Padre que Celebrou nosso casamento foi um fofo e fez tudo ficar ainda mais lindo e emocionante.

Lágrimas de alegria – eu não ia fazer, mas sobrou umas borboletas recortadas e acabei fazendo as lágrimas de alegria, mesmo que ninguém se emocionasse, servia para enxugar o suor, por que estava bem quente naqueles dias rs.

Músicos para a igreja – Eu queria musica com acompanhamento de violino na igreja, também por indicação de uma amiga, contratei o Paulo Henrique que além de cantar lindamente com a Banda Belo Som, ainda trabalha com assessoria e cerimonial. Super indico o trabalho dele.

O vestido de noiva – eu queria um vestido simples, com renda, sem calda e que tivesse a cara de um casamento durante o dia. Procurei aqui em Brasília e não achei nada que eu queria, só para mandar fazer e que ficava uma fortuna. Em agosto do mesmo ano, viajamos para Foz do Iguaçu e como íamos para a Argentina e para o Paraguai, acabei procurando na internet uma loja que vendesse vestido de noiva, daí achei a SAX que é uma loja de luxo no Paraguai, que tem um andar inteirinho somente para noivas, e vende os belíssimos vestidos da Pronoivas. Peguei um número de whatsapp pela internet e agendei um horário para ser atendida na loja. Fui com o marido, mas ele ficou andando pela SAX e acabei escolhendo o vestido sozinha. Lá tinha muitas opções de vestidos de noivas e acessórios, conversei com a moça que me atendeu e disse que não queria gastar muito, que o máximo que eu queria gastar era 4 mil (esse era o máximo do máximo), daí ela me mostrou vestidos de coleções anteriores, que eram da minha numeração. o terceiro vestido que experimentei eu amei e me emocionei! ele só tinha um defeito (pra mim é claro), ele tinha calda, que era algo que eu inicialmente não queria. Porém amei tanto o vestido que decidi por ele mesmo assim, e o melhor foi o preço, que paguei baratinho em um vestido do estilista San Patrick, que vi na internet vendendo por 12 mil reais.
O sapato eu não comprei especifico de noiva, comprei um nude com pedras da Schutz, que eu pude usar depois do casamento e não ficaria com um sapato de noiva encalhado por aqui.

Reforma do vestido – Como eu comprei o vestido e não tinha tempo para esperar ele ficar pronto por lá, trouxe e mandei ajustar a barra aqui. Fiz com a Demi Miranda, que fica na Asa Norte (61) 3703-1170. Super indico o trabalho dela.

Tiara e Brinco – Eu aluguei a tiara e comprei o brinco na loja Marianna Machado, que fica no Sudoeste.

Cabelo e Maquiagem – Fiz no Salão da Renata Lafonte, não tinha lugar melhor para me arrumar. Amei o atendimento deles, eu, minhas amigas, minha irmã e minha mãe, nos arrumamos lá e eles nos atenderam muito bem. Me maquiei com a Juliana Chechin que fez tudo exatamente como eu pedi e o cabelo foi com o Léo (acho que esse era o nome dele rs). Amei muito e super indico.

Fotógrafo – por indicação de uma amiga, fiz as fotos do Ensaio Romântico e do Casamento como o Paulo Nunes que além de tirar fotos lindas é super simpático e tira bons sorrisos dos convidados nas fotos.

Recepção – como o casamento foi as 11h da manhã, eu fiz a recepção no Restaurante Villa Tevere, que foi incrível! Todos os convidados amaram, por que não tem como não amar a comida de lá rs. O atendimento e o carinho de todos em nosso casamento foi maravilhoso, super indico o Villa Tevere para fazer um mini wedding.

Bolo e doces – O bolo eu queria com uma pegada divertida e bem a nossa cara, mas não é em todos os lugares que eles fazem, daí fiz na Cioccolateria Doceria. Gostei muito do bolo e dos doces.

Bem casados – encomendei os bens casados mais deliciosos de Brasília, todos que comeram no meu casamento amaram. Bem sonhado (61) 9801-8810.

Decoração da Igreja e da mesa do bolo – Fiz com a Di Camargo Decorações, que além de ter o preço bom, são super atenciosos e entregaram tudo exatamente como queríamos. (61) 3562-2920, que fica em Taguatinga.

Topo do bolo humanizado – Fiz o topo do bolo com a Edilene Maciel, do Biscuit da Edi e super indico o trabalho dela.

Noivinhos Hellokittycos – Eu queria muito ter noivinhos da Hello Kitty e Daniel, no meu casamento, mas não achei em lugar nenhum para comprar. A Sanrio do Brasil, que sabiam do casamento e tem a equipe mais fofa do mundo, me enviaram esses noivinhos fofos que veio diretamente do Japão, e deixou o casamento com a cara da Hello Kitty, do jeito que eu queria.

Lembrancinha do casamento – Eu queria algo legal, que as pessoas guardassem e mesmo sem ter o nosso nome, todos iam lembrar do nosso casamento. Daí decidi comprar mini bomboniere, colocar amêndoas brancas e personalizar com o nome de cada convidado, junto com uma medalhinha de Nossa Senhora de Fátima.
Comprei as bombonieres da loja Casa Brasileira que fica em Taguatinga e comprei as amêndoas pelo site Amêndoas Confeitadas.

Sacolinha e marmitinha – Como a recepção do casamento foi um almoço no restaurante, com direito a entrada, prato principal e sobremesa, fiquei com medo de sobrar muitos docinhos, por isso decidi fazer uma sacolinha com uma marmitinha bem divertida, para que os convidados levassem os docinhos para casa. Comprei as sacolinhas e as marmitinhas e eu mesma personalizei.

Cerimonial – Como era foi um mini wedding, eu fiz tudo e contratei o cerimonial apenas para o dia da cerimônia, para organizar a coisas na igreja, receber bolo e doces, e verificar se a decoração estava ok. Contratei a Pulsar Cerimonial e Eventos.

Cabide personalizado – Eu sempre quis fazer o cabide personalizado, para tirar a foto com o vestido e depois emoldurar para guardar de lembrança. Encomendei pelo site www.jaquelinekonrath.com.br o trabalho dela é lindo e de boa qualidade.

Adesivos para sapatos dos noivos – Eu fiz esses adesivos e colei no nosso sapato, assim na hora que ajoelhássemos na igreja, os convidados iam ver o adesivo lá. Mas infelizmente, o meu estragou e nem deu para tirar a foto rs.

janeiro 16, 2017

Primeiro Trimestre de Gestação e não foi nada fácil

Bem… como já falei no post “Estou Grávida”, contei que ficar grávida foi uma opção minha e do meu marido e que estamos muito felizes com a gravidez, mas como serei muito sincera neste post, não venham com mimimi… dizendo que não estou feliz com a minha gravidez.

Os três primeiros meses da gestação foram terríveis para mim! Tive muito enjoo, azia, vômito, franqueza, tontura, diarreia, não conseguia comer nada, passava a maior parte do tempo deitada ou no banheiro. Foi terrível, pensei que eu iria morrer de tanto passar mal. Devido a todos esses sintomas, acabei ficando somente em casa, evitei ver os amigos e familiares, até por que a maioria das pessoas acham que isso é frescura. Mas quem me conhece, sabe que não sou mulher de ficar esperando que ninguém faça nada por mim, sou forte e geralmente não gosto muito de pedir ajuda.
Jamais imaginei que eu passaria por isso durante a gravidez, acabei ficando muito irritada e por isso, decidi ficar na minha, em casa e na companhia do marido.

Não conseguia ter concentração para trabalhar e como trabalho em casa, com muito esforço finalizei alguns trabalhos e não peguei mais nenhum, por que eu não estava dando conta de fazer meu trabalho direito.

Eram poucas pessoas que sabiam da gravidez, já que eu e o marido, tínhamos decidido contar para todos só depois da 13 semana. Mas as poucas pessoas que sabiam, me perguntavam coisas sobre o bebê, quarto e etc, e como eu não tinha pesquisado nada e só queria voltar a ter minha vida normal, não demonstrava mega empolgação, ainda tive que escutar comentários do tipo: – eita você não está feliz com a gestação? – acho que você está depressiva por conta da gravidez! – credo, você nem está feliz???

Affff, tive que me controlar para não mandar a maioria ir tomar naquele lugar! Por que, quem vai ficar feliz passando mal, desmaiando, não conseguindo comer nada????? Julgar é mais fácil do que se colocar no lugar do outro.

Estava preocupada com o bebê, pois eu tinha que conseguir comer para o bebê ficar bem. Daí meu médico me acalmou, disse que no primeiro trimestre o bebê não precisa tanto da alimentação da mãe, mas que eu tinha que tentar comer (e claro, fazer com que ficasse no estômago).

Eu já engravidei estando 15 quilos acima do meu peso ideal, devido a esses 3 meses de má alimentação e colocando quase tudo o que eu comia para fora, acabei perdendo 5 quilos. Mas na ecografia morfologia do primeiro trimestre, vimos que o bebê está muito bem, saudável e bem grandinho por sinal, isso me deixou mega aliviada.

Por conta de ter passado tão mal, o primeiro trimestre foi terrível pra mim, mas tenho esperança de que os enjoos melhorem logo, por que não está sendo nada fácil.

Para as mamães que estão gravidinhas, como foi o primeiro trimestre de vocês?